Menu

Lenda da Gruta do Itambé. “João de Tal Milagreiro”

No início do século XX, quando o município de Altinópolis ainda era conhecido como povoado de Nossa Senhora da Piedade, uma história de amor e vingança mudou para sempre um dos mais famosos pontos turísticos da cidade. Naquela época, as terras no entorno da Gruta do Itambé eram de propriedade de um grande barão do café, conhecido como Turco. O fazendeiro tinha, entre os seus empregados, “um tal de João”, como era conhecido o filho de escravos. João exercia várias funções na fazenda, desde jagunço até lavrador. Porém, Nájila, a filha mais velha do Turco, se apaixonou por João. Temendo ver sua filha se relacionar com um negro, o fazendeiro tentou de todas as formas separar o casal, mas nenhuma surtiu efeito.

Vendo que seria inevitável o romance entre o funcionário e a filha, Turco ordenou que seus capangas dessem um fim em João. Mesmo ferido após o ataque, João conseguiu fugir da fazenda e se escondeu por dias na Gruta do Itambé. Alguns meninos que pescavam na região que avisaram o fazendeiro de que viram um homem barbudo vivendo no interior da Gruta. Turco montou um cerco no local, com mais de trinta homens. João, que fugira armado, conseguiu matar alguns homens do fazendeiro, mas acabou morrendo no local. Seu corpo foi esquartejado e lançado em um rio da região. Dias depois, partes do seu corpo foram encontradas e enterradas por empregados da fazenda em um antigo cemitério de escravos próximo à Cachoeira do Esmeril.

Anos mais tarde, supersticiosos resolveram desenterrar os restos de João e levá-lo para o cemitério de Altinópolis, onde seu túmulo pode ser visitado até hoje. Atualmente, João de Tal é considerado por muitos como um milagreiro. Após o ocorrido, religiosos construíram um altar dentro da Gruta na intenção de purificar e lavar o sangue derramado naquele local, que até hoje possui diversas ouras lendas de local mal-assombrado.